Módulo 1

Políticas de inclusão e medidas educativas

  • Primeira parte da Atividade

Atividade realizada individualmente. Elaboração de um mapa conceptual do documento:

Alunos Cegos e com Baixa Visão – Orientações Curriculares

Coord.  Filomena Pereira

Editado pelo ME e DGIDC em 2008

O mapa foi concebido através do programa bubbl.us

Mapa Conceptual:

Disponível em:

C:\Users\User\Downloads\New-Mind-Map_38g4um1o.htm

Alunos Cegos e com baixa Visão Orientações Curriculares

Alunos Cegos e com baixa Visão – Orientações Curriculares

Aspetos positivos do programa:

– Faculta uma criação rápida, eficaz e dinâmica de mapas conceptuais;

– Fácil manuseamento;

Constrangimentos:

– Não se trata de software free;

– Não foi possível exportar diretamente para a página, pois solicitava o pagamento de uma mensalidade;

– Foi necessário efetuar a sua impressão em formato compatível (pdf, JPG, Gif) para conseguir disponibilizar neste local.

 

  • Segunda parte da Atividade

Elaboração de um esquema temporal da evolução do conceito de Inclusão ao longo dos tempos.

Segundo KIRK Russel, J.J. GALAGHER, R. K. SASSAKI e ENICÉIA GONÇALVES MENDES, após a análise de dados históricos da Europa e da América do Norte, concluíram que os estudos dessa área, para uma melhor compreensão, deveriam ser definidos em quatro estágios: primeiro estágio iniciando na era pré-cristã, segundo nos séculos XVIII e meados do século seguinte, o terceiro ao final do século XIX e meados do seguinte e o quarto estágio ao final do século XX.

  • O primeiro estágio está literalmente marcado pela negligência, ou seja, uma ausência total de atendimento e os deficientes eram abandonados, perseguidos e eliminados em virtude de suas condições atípicas, sendo que as sociedades dessa fase consideravam essas ações como legítimas.
  •  No segundo estágio já é possível perceber a criação de instituições residenciais com a finalidade de recolher (apartar, segregar) esses indivíduos da sociedade, com o subterfúgio de protegê-los; entretanto, ainda na idade média, os deficientes mentais eram considerados possuídos pelo demónio e eram totalmente excluídos. Os restantes deficientes eram considerados como portadores de dons e poderes especiais.
  •  O terceiro estágio está marcado pelo desenvolvimento de escolas especiais, ou classes especiais com o intuito de ofertar aos deficientes uma educação em separado das restantes pessoas.
  • No quarto estágio, já ao final do século XX e por volta da década de 70, surgem os movimentos de integração social em prol de pessoas com deficiência e tinham como interesse integrar esses indivíduos em ambientes escolares para lhes oferecer uma educação o mais próxima possível da ofertada em escolas regulares.
  • Na segunda metade do século XX, um movimento composto de educadores, pais e grupos de defesa dos direitos humanos começou a ser constituído em nível internacional. Pode-se destacar a Conferência Mundial de Educação Para Todos na Tailândia e a Declaração de Salamanca como dois importantes acontecimentos a favor da Educação Especial dessa época.
    No cenário mundial a prática da inclusão social teve o seu maior impulso a partir da década de 80, reflexo dos movimentos de luta pelos direitos das pessoas com deficiência e as mudanças sociais.
  • Em Portugal, o Decreto-Lei nº 319/91 definine a inclusão de crianças com necessidades educativas especiais nas classes regulares, tendo sido revogado pelo Decreto-Lei nº3/2008 que entre outras alterações veio conceber a criação de escolas de referência para a inclisão das diferentes necessidades dos alunos, mas sempre numa perspetiva inclusiva. Contudo, a inclusão já se começava a sentir desde os anos 70, em Portugal.

Estabelecendo-se um paralelo acerca de Educação Especial desde a antiguidade clássica até os dias atuais, pode-se afirmar que os progressos em relação ao tema avançaram lenta e paulatinamente e os objetivos reais conquistados devem ser atribuídas apenas às últimas décadas do século anterior e parte do século vigente.

O programa escolhido para a realização desta tarefa foi o Timeglider.

Os links:

http://timeglider.com/t/550e58c4ba3cb446?min_zoom=1&max_zoom=100

Vista Geral

Inclusão ao longo dos séculos

TIMELINE

Aspetos Positivos:

– Possibilidade de criar uma linha de tempo ilustrada com imagens, texto e filme.

Constrangimentos:

– Para utilização em modo free, foi necessário uma inscrição como aluna.

– Difícil exploração e execução.

– Algumas caixas ficam sobrepostas e não consigo movê-las – programa estático.

– O export não está disponível na versão que utilizei, pelo que não o consegui exportar.

 

  •  Terceira parte da Atividade

Realização de uma apresentação sobre aspetos das políticas de inclusão e medidas educativas.

Apresentação foi efetuada em slideshare.Encontra-se disponível em:

Políticas e Medidas Inclusivas

Aspetos Positivos:

– Possibilidade de partilha.

Constrangimentos:

– A minha primeira tentaiva foi efetuar a apresentação em Prezi, contudo, como já havia efetuado o registo há alguns meses atrás, a minha utilização free expirou. Assim, optei por utilizar o PPT e depois publicar no Slideshare.

– O Prezi não possui uma versão free, apenas uma demo por um ou dois meses.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s